Profissionais falam sobre temas relacionados a negócios na web.

Transcrição

Alexandre Waclawovsky; Head Marketing Innovarion LatAM – DIAGEO – Nós estamos no hotel Pestana, no ABANET, que é o nosso grande evento digital, e vai ser o último ano do abanet, a partir do ano que vem, tudo converge num ano ABAMIDIA, porque a gente acredita que digital cada vez mais se transforma em conexão e comunicação para os consumidores.

Lucas Mello; CEO – LiveAd – As marcas estão tateando essas novas formas de comunicação, mas, já experimentando, já colhendo os resultados.O momento é extremamente estimulante, um momento incrivel que estamos vivendo.

François Pétavy; CEO – eYeKa – As marcas podem encorajar o processo somente mudando a atitude com os nossos consumidores. Medindo as necessidades, como por exemplo: “O que você deseja?”
“Então isso é o que eu posso fazer. Isso não posso fazer” E assim mantemos nossa comunicação. Essa é minha especialidade. É isso o que posso fazer por você. “Você gostou? Sim? Não?”. E dessa forma interagimos até que se torne um trabalho sempre em processo interativo que, na verdade, se compara basicamente ás relações humanas.

Adriana Knakfuss; Gerente de Conexões – Coca-Cola- Acho que o consumidor quer receber conteúdo que falem com ele. Tenha ele o interesse que ele quiser, a marca tem que ser capaz de mapear se esses interesses tem a ver com os interesses da marca,se tem a ver com o dna da marca. É muito claro hoje em dia voce perceber se uma marca ou uma pessoa não está sendo autentica com o relacionamento.

Osvaldo Barbosa; Diretor Geral – LinkedIn Brasil – Agora você tem novas métricas que ainda estão sendo exploradas de forma diferente. Como por exemplo ENGAJAMENTO, quantas pessoas pegaram aquele conteúdo e compartilharam com outras, isso ainda é um mundo relativamente novo, mas, muito importante para que as pessoas de marketing possam identificar as melhores estratégias, e poder mensurar os seus resultados corretamente.

Adriana Grineberg; Diretora de Negócios – Facebook – Desafios são quebrar as barreiras daquilo que a gente sempre fez. Então um jovem recém formado vai trabalhar em uma empresa multi nacional, ele recebe um guia de como proceder , de como fazer marketing, talvez ele não esteja funcionando como era antes, mas, construindo filmes, as marcas continuam pensando em suas estratégias por campanha. E talvez essa coisa da rede social ela precise realmente acontecer nessa base do dia a dia, e portanto são muitos os desafios que a gente tem de reiventar.

Marco Bebiano; Diretor de Negócios – Google – As possibilidades em pontencial que hoje criativa pode ser feito num video online, quebra ai uma hegemonia,ou quebra uma cultura de você pensar em um video estático. Acredito que esse é um dos grandes formatos desrruptivos para um país que é totalmente televisivo.

Luis Bianchi; Gerente de Marketing – Philips – O consumidor ele vai poder a partir de uma plataforma conectada a tv , muito mais interatividade com as marcas. Quando a gente olha no cenário hoje em dia, as marcas investem nos formatos tradicionais de tv que é muito pouco flexivel, no cenario de smarts tvs, pra você assistir o comercial de tv do mesmo salgadinho, você vai ter a possibilidade de clicar e navegar na web daquela marca, saber mais sobre aquele produto, e sobre aquele conteúdo que a marca está oferecendo. Isso no meu ponto de vista é uma revolução realmente, um ponto de vista de mídia, que ta chegando na tela da TV.

Alexandre Waclawovsky; Head Marketing Innovarion LatAM – DIAGEO – E nunm movimento já de 30, 40% das novas televisões ja serem smart tv, que já são televisões sociais por natureza, isso já vem com uma tela branca, que o consumidor cada vez se expressar de uma maneira maior, com mais velocidade, e vai forçar as marcas a se transformarem também.