Homem Sanduíche 2000

Comentários

O Avesso CLÁSSICOS traz o dia dia dos Plaqueiros na cidade de São Paulo nos anos 2000.

Transcrição

Osvaldo Valdivino, Plaqueiro – Pode colocar pra gravar esse negócio que hoje eu estou terrível.

Lenice Garrido, Gerente da ótica – É uma propaganda viva, né.

Um homem propaganda.

Palhaço Caçarola, Plaqueiro do Bingo – Só de ficar assim com o cartaz a gente sua mais.

Osvaldo Valdivino, Plaqueiro – Com a placa vende mais, porque a alma do negócio é a propaganda, certo.

Otavio Bispo Pereira, Plaqueiro da smog – Venho aqui pego minha cadeirinha, sento e vou esperar os clientes.

Arnaldo Volpe Vicente, Gerente da smog – Geralmente nós pegamos os aposentados, eles ganham por comissão pelo serviço que eles trazem, não tem algo fixo.

Otavio Bispo Pereira, Plaqueiro da smog – Eu dou um jeitinho para conseguir o cliente, né, ai ele vem com pouco e manda outro.

Arnaldo Volpe Vicente, Gerente da smog – Às vezes se eles forem ganhar R$4, eles preferem ganhar R$3, mas trazem o cliente. Então a gente tem ele como braço direito aqui.

Otavio Bispo Pereira, Plaqueiro da smog – E aí continuamos, né.

Pedro Galante, Plaqueiro da ótica – O pessoal vê de longe isso aqui, é uma propaganda boa, dá retorno também.
Estão tudo em letras grandes e coloridas

Lenice Garrido, Gerente da ótica – Já usei revista, já usei jornal, já usei rádio e tive um retorno pequeno, é o Sr. Pedro que funciona.

Osvaldo Valdivino, Plaqueiro – Porque tudo que você vende, você tem que divulgar, entendeu.

Donizete Costa da Silva, Plaqueiro de Tatuagem – Eu estou anunciando tatuagens.

Alexandre Machado Neto, Tatuador – Metade dos clientes que entram aqui na loja, metade vem por causa do plaqueiro e a outra metade é porque já conhece, quando é primeira tattoo o pessoal acha aqui por causa do plaqueiro, porque não tem propaganda em fachada e nem nada.

Donizete Costa da Silva, Plaqueiro de Tatuagem – Eu não gosto de fazer, mas gosto de ver nos outros.

Osvaldo Valdivino, Plaqueiro – A placa é uma propaganda mais visual.

Palhaço Caçarola, Plaqueiro do Bingo – Começo às 08h e vou até às 18h, de perna de pau são 15 anos de profissão.

Juliana Frederico Ramos, Gerente do Bingo – Aqui no Centro as pessoas que costumam andar na rua, são as pessoas da classe C, porque as pessoas de um poder aquisitivo maior andam só de carro, então você tem que exatamente correr atrás do que chama a atenção do seu público.

clomid

Newsletter

Seu conteúdo | Nossa distribuição